Homenagem ao ilustrador Silvio Ramirez

“ Uma Furtiva Lacrima fora a única coisa belíssima na sua vida. (...)
Quando ouviu começara a chorar. (...)
Mas também creio que chorava porque, através da música,
adivinhava talvez que havia outros modos de sentir,
havia existências mais delicadas e até com um certo luxo de alma.”
Clarice Lispector - A hora da estrela


Os trechos da obra A hora da estrela de Clarice Lispector  vêm ilustrar uma convicção que tenho: a de que certas produções artísticas têm a capacidade de nos transportar, de nos transformar, nos fazendo entrever a amplidão das capacidades humanas. Meu interesse por contos ilustrados para crianças provem do fato de terem sido produções artísticas neste campo que me mostraram, durante a infância – e de forma indelével – aquela potencialidade da arte. Os contos que deram origem a esta convicção foram os dos irmãos Grimm, ilustrados por Sílvio Ramirez,  publicados pela editora Edigraf em 1962.
Atualmente o trabalho de Ramirez parece pouco lembrado. Em pesquisa na internet não encontrei nenhuma referência às suas ilustrações. Pude somente saber que esse desenhista também criou figurinos históricos para filmes de Mazzaropi, durante a segunda metade da década de 50. Diante disto, procuro aqui fazer um singelo resgate da obra de um artista que parece ter caído no esquecimento.

Jayme Cortez publicou, em 1970, pela editora Hemus, um catálogo intitulado Mestres da Ilustração : A técnica de ilustração, capas e cartazes, reunindo nomes de destaque das artes gráficas brasileiras. Algumas páginas do livro são dedicadas  ao ilustrador Sílvio Ramirez e às suas ilustrações para os contos de Grimm. Cortez reconhece a  qualidade do trabalho de Ramirez e o exprime nos seguintes termos:
"Sólida cultura artística, extraordinário conhecimento do desenho e um cuidado de pesquisa no campo histórico tornam este artista um dos maiores valores no campo da ilustração. Contos e lendas dos irmãos Grimm ilustrados por Ramirez são a confirmação. O esboço deste artista é uma mostra da força do seu trabalho. A consciência da documentação, o clima da época, os detalhes da paisagem e costumes dão à finalização de seus trabalhos uma expressiva realidade histórica e artística. A força de sua composição e o domínio do desenho criam as mais dramáticas, grandiosas, espetaculares e poéticas ilustrações".

Sobre a coletânea dos contos de Grimm publicada pela editora Edigraf em 1962, Karin Voluef, professora e pesquisadora da UNESP, faz o seguinte comentário :
"Tradução com o maior número de contos. Trata-se de uma coletânea essencial, visto que inclui contos que não existem em nenhuma outra publicação. Além disso, a despeito de algumas passagens menos felizes, é uma tradução de boa qualidade - que em muitos casos traz soluções muito melhores do que outras traduções do mesmo nível."










Ilustração do  conto "Os quatro irmãos habilidosos"

Página 25 do volume IV








Ilustração do conto "As três folhas da serpente"


Página 71 do volume IV
 



Ilustração do conto "Os filhos de ouro"



Página 177 do volume IV





6 comentários:

  1. Finalmente encontrei algo a respeito desse formidável artista, Ramírez, pensava que ele fosse estrangeiro, dada a capacidade de retratar um mundo europeu que não mais existe. Fiquei muito satisfeito por saber um pouco mais desse desenhista que ilustrou figuras que ainda hoje são as maiores referências a esses magníficos contos de fadas.
    Parabéns.
    César T.

    ResponderExcluir
  2. Queria saber o nome da historia do quarto desenho

    ResponderExcluir
  3. A quarta imagem ilustra o trecho "A velha estava sentada numa poltrona, perto do fogo, cozinhando qualquer coisa num caldeirão", do conto "O Enigma". Esta ilustração se encontra na página 115 do volume I.

    ResponderExcluir
  4. Não sei se alguem vai ler isto, mas la vai... Em primeiro lugar, adorei a pagina e tambem de saber mais sobre Ramirez.

    Eu tinha uns 05 anos de idade quando aprendi a ler e la com meus nove anos mais ou menos achei uma coleção dos Grimm da Edigraf na casa de um amigo do pai... Comecei a ler e pensei : " então é isto que a leitura me proporciona ?", e descobri que a literatura era um passaporte para um mundo magico, excepcional, sombrio, mas só meu... De la pra ca muita coisa rolou... casei, tive filhos, tive decepções, mas sempre os Grimm vem me contar historias a noite, para que eu me lembre que todos somos eternas crianças... So tenho que dizer obrigado aos Grimm para a dívida que tenho para com eles pelos bons exemplos e pelas histórias que falam de fé, de perda, de amor, de vida...

    As ilustrações do Ramirez são definitivas... Tenho muitas edições dos Grimm ( de outros paises inclusive ) e nenhum ilustrador chegou perto do brilho, do encanto, da imagem de contos de fadas que somente o Ramirez pode proporcionar. Chega a ser ironico, se não injusto, que varias coletaneas de ilustrações dos Grimm nao façam menção ao mesmo. Seu trabalho imortal, assim como os contos de fadas, permanecerão no imaginario popular para sempre...

    LUiz Henrique Trompczynski

    Terra Rica/PR

    ResponderExcluir
  5. Muito obrigada por seu comentário Luiz Henrique!

    ResponderExcluir